Player

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Buraco fantasma: Prefeitura suspende empresa e aumenta fiscalização



Diante da fraude nos serviços de tapa buracos mostrada em vídeo, a Prefeitura de Campo Grande resolveu notificar e suspender os serviços da Selco Engenharia Ltda até o completo esclarecimento da denúncia. O Secretário de Infraestrutura, Transporte e Habitação, Valtemir de Brito, anunciou também que o município vai aumentar a fiscalização em todas as frentes de serviços de tapa buracos para evitar a repetição deste crime contra o patrimônio público.
O Secretário reconheceu que o tapa buracos é um paliativo necessário para manter a trafegabilidade dos 2.100KM de vias pavimentadas da Capital. Ele também anunciou o aumento dos esforços e dos investimentos em recapeamento de ruas e avenidas e ressaltou que os preços praticados pelo tapa buracos em Campo Grande estão abaixo dos índices do SINAPI.
Integra da nota
Veja abaixo a integra da nota distribuída a imprensa pelo titular da SEINTRHA, Valtemir de Brito.

“Campo Grande tem hoje cerca de 2.100km de vias pavimentadas (18.900.000m² aproximadamente), uma boa parte sem rede de drenagem e com mais 20 anos de uso.
Os serviços de tapa buracos realizados pela Prefeitura Municipal de Campo Grande – MS, foram contratados mediante concorrência pública com fundamento nas normas legais (Lei Federal n. 8666/93 e Legislação Complementar)
Os preços praticados estão abaixo dos índices do SINAPI (Sistema Nacional de Pesquisas de Custos e Índices da Construção Civil) que prevê R$ 23,18 por m² e R$ 336,60 por tonelada de massa asfáltica (CBUQ). A Prefeitura pratica R$ 17,50 por m² e R$ 204,33 por tonelada/CBUQ.
Atualmente, sete empresas realizam serviços de tapa buracos distribuídas em dez regiões da cidade. O volume e o valor dos serviços variam conforme as condições da malha viária, alcançando, em média, 50.000m² por mês.
O controle das atividades é realizado mediante ordens de serviços e fiscalização do volume de CBUQ aplicado e amostragens in loco nas vias beneficiadas. Vale ressaltar que é responsabilidade da empresa registrar junto ao CREA o nome do engenheiro responsável técnico pela execução dos serviços e comunicar seu nome à SEINTRHA.
A prestadora de serviços Selco Engenharia Ltda, que atua na SEINTRHA desde 2010, foi notificada para esclarecer formalmente a fraude veiculada pela imprensa. – Enquanto isso seus serviços estão suspensos. Vamos esclarecer totalmente as denúncias e, se for o caso, exigir o ressarcimento à Prefeitura aplicando todas as penalidades legais cabíveis.
Diante do vídeo que demonstra a fraude, a fiscalização será mais rígida e presente em todas as frentes de serviços de tapa buraco, visando garantir a qualidade dos serviços.
A Prefeitura de Campo Grande reconhece que o serviço de tapa buracos é um paliativo, que ainda é necessário para a segurança do trânsito e para a proteção ao patrimônio público.
O município tem buscado recursos federais e internacionais, além de receita própria, para promover o recapeamento das principais vias de trânsito da capital. Pelo menos, 60km serão recapeados através do PAC mobilidade e mais 80km serão revestidos em 2015 com recursos de outras fontes.”

(Comunicação Seintrha)

Comerciários pedem socorro policial na saída dos shoppings depois das 22h






Comerciários de Campo Grande querem mais segurança da Polícia Militar na saída do trabalho dos shopping centers, depois das 22 horas. Eles afirmam que o caso registrado esta semana em que 4 jovens fizeram um arrastão no ponto de ônibus em frente ao Shopping Bosque dos Ipês, onde levaram pertences de 5 mulheres (comerciárias), uma delas grávida, tem sido comum na região.
Diante da gravidade do problema, o Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande – SECCG encaminhou ofício ontem ao Comando Geral da Polícia Militar, pedindo reforço de viaturas pelas imediações dos shoppings da cidade. “O pânico está instalado no meio dos comerciários que temem ser assaltados depois das 22 horas, quando deixam as lojas para voltarem para casa”, afirma André Luiz Garcia, diretor do sindicato.
O líder sindical, Idelmar da Mota Lima, que preside também a Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços de Mato Grosso do Sul – Fetracom/MS e a Força Sindical Regional MS, pede, por intermédio de ofício ao coronel Deusdete Souza Oliveira, que atenda a esse pedido de socorro os comerciários de Campo Grande. “A situação já chegou a um ponto crítico. São muitos pequenos assaltos registrados principalmente nesses horários de saída de funcionários do comércio dos shopping centers”, afirmou.
O sindicato dos comerciários tem recebido inúmeras reclamações nesse sentido, principalmente nas últimas semanas. Algumas pessoas deixaram o emprego por conta do horário de saída, depois das 22 horas, por correrem risco de assalto e outros crimes.
“Esperamos que a Polícia Militar nos atenda, fazendo rondas constantes em torno dos shopping centers de nossa cidade, principalmente nesse período, de fechamento das lojas”, afirmou André Luiz Garcia. O SECCG também pede o empenho das administrações desses centros comerciais para reforçar a segurança  no seu entorno, para garantir a chegada e saída de clientes e funcionários por intermédio dos pontos de ônibus situados em anexo a esses locais.

INTERIOR – Idelmar da Mota Lima informou que a situação no interior de Mato Grosso do Sul não é diferente. A direção da FETRACOM/MS tem recebido reclamações de lideranças sindicais dos comerciários de Dourados, Três Lagoas, Ponta Porã, Corumbá e outras cidades, onde a criminalidade também ocorre nas saídas de centros comerciais abertos até mais tarde.
“A Polícia Militar precisa atuar de maneira mais intensa, com rondas constantes nos centros e periferia da cidade, para evitar a proliferação da criminalidade”, afirma Idemar, fazendo um apelo nesse sentido à Secretaria de Estado de Segurança Pública.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Prefeito Gilmar Olarte anuncia a entrega de 152 apartamentos dia 3 na vinda de Dilma

Prefeito conversa com proprietária de unidade residencial a ser entregue pela presidente Dilma



Além da inauguração da Casa da Mulher Brasileira, durante sua visita a Campo Grande programada para o próximo dia 3 de fevereiro, a presidente Dilma Roussef poderá participar da entrega da última etapa do Residencial Nelson Trad, o Condomínio Margarida, com 152 apartamentos. O anúncio foi feito nesta terça-feira pelo prefeito Gilmar Olarte que, acompanhado da primeira-dama Andréia Olarte e do secretário de Infraestrutura, Transporte e Habitação, Valtemir de Brito, esteve nas instalações onde funcionará o CRAS(Centro de Referência em Assistência Social). A unidade atenderá o condomínio de 1.624 apartamentos e os bairros no entorno, especialmente o Jardim Carioca e o bairro Nova Campo Grande.

Segundo o prefeito, a assessoria da presidente incluiu a entrega dos apartamentos na pré-agenda da vinda dela a Campo Grande, prevista para a próxima terça-feria. “Em função do calendário eleitoral, a presidente não pôde participar da inauguração das outras unidades deste empreendimento habitacional que, além da assegurar acesso à casa própria para mais de 1.600 famílias, mudou a paisagem desta região da cidade onde havia um vazio urbano.

Gilmar Olarte lembra que o Jardim Carioca ganhou uma população adicional de mais de cinco mil pessoas com a entrega do empreendimento habitacional.. A Prefeitura tem agora o desafio de investir para ampliar a estrutura de atendimento dos serviços públicos, com a construção de salas de aula; ampliação do centro de educação infantil e a instalação do CRAS. Até 2016, com recursos do PAC da Qualificação das Vias Urbanas, estão previstas obras de drenagem e pavimentação no Jardim Carioca e no Nova Campo Grande.

Durante sua visita ao residencial, o prefeito foi abordado pelos futuros mutuários que estão ansiosos pela entrega das chaves. “Desde que assinei o contrato em novembro, estou ansiosa pela entrega das chaves”, comenta a aposentada Vera Ruth de Melo, que nesta terça-feira mais uma vez foi “passear” no seu futuro endereço. “Estou com minhas coisas dentro de caixas, os móveis desmontados”, revela a aposentada que mora em duas peças nos fundos da casa da filha, no bairro Santo Amaro. Ela ficou feliz com a confirmação de que receberá as chaves do seu apartamento no próximo dia três de fevereiro.

FONTE: Prefeitura Municipal

IEL está com 300 vagas abertas para estágio no Estado


O cadastramento, a consulta de vagas disponíveis podem ser efetuados online pelo site http://sne.iel.org.br/sne/portal.xhtml

Para sair da faculdade com alguma experiência na área de formação é necessário passar pelo período de estágio, experiência que contribui para ingressar no mercado de trabalho e conhecer a futura área de atuação. Entre as ofertas e oportunidades para este início de ano o IEL está disponibilizando 300 vagas em todo o Estado.

De acordo com o superintendente do IEL, Bergson Amarilla, a maioria das vagas é destina a estudantes de nível superior. “As vagas são nas áreas de Administração, Ciências Contábeis, Ciências da Computação, Direito, entre outras. Na Pedagogia também é bastante procurada pelas Prefeituras devido ao trabalho com educação de jovens em escolas”, destacou.

Ele acrescenta ainda que a carga horária varia conforme a empresa e a função, sendo que o valor da bolsa-auxílio varia de R$ 600 a R$ 800, além de serem oferecidos benefícios como auxílio-transporte. O cadastramento, a consulta de vagas disponíveis podem ser efetuados online pelo site http://sne.iel.org.br/sne/portal.xhtml.

Além disso, os jovens também podem melhorar os conhecimentos nos cursos gratuitos online oferecidos pelo IEL com diversos temas como marketing pessoal, propriedade intelectual, legislação trabalhista, entre outros. O Instituto também apresenta o Programa Foco na Carreira, que foi desenvolvido para ampliar a visão de mundo do jovem, desenvolvendo suas habilidades e competências e ao mesmo tempo atendendo às demandas corporativas.

O programa disponibiliza cursos, palestras e workshops com os temas comportamento organizacional, ética e postura profissional, maioridade e responsabilidade, projeto de vida, carreira e empregabilidade, relacionamento interpessoal, trabalho em time, visão estratégica, comunicação entre gerações, criatividade e inovação, negociação e gestão de conflitos, gestão do tempo e empreendedorismo.

Serviço – Mais informações podem ser obtidas diretamente no IEL, localizado na Avenida Afonso Penas, 3.123, de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 11h e das 13 às 17h15 ou pelos telefones (67) 3044-2125/2102 ou ainda pelo emailvagas@ms.iel.org.br

(Daniel Pedra)


Operários da construção civil de CG começam a luta por reajuste salarial

                                                                                                         Foto Sergio Souza

Trabalhadores da indústria da construção civil de Campo Grande reúnem-se em assembleia geral na sexta-feira (30) para estabelecer a pauta de reivindicação salarial que será encaminhada para o patronal para aprovação. A reunião será na sede do sindicato da categoria às 18 horas, informa José Abelha Neto, presidente do Sintracom/CG (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Campo Grande).
Esta semana, a diretoria sindical tem visitado canteiros de obras para convocar os trabalhadores (construção civil, gesso, mármore e mobiliário) para essa reunião onde vão discutir não só o percentual de reajuste salarial que será reivindicado, como também outros benefícios para a classe.
Em cima de um carro de som, José Abelha Neto convoca a categoria e afirma, para conscientizá-los de sua importância profissional, que:  "essas grandes obras são vocês que constroem, por isso precisam negociar melhores salários. Começamos nosso movimento há dois anos atrás com duzentas pessoas, ano passado já eram quatrocentas. Nós queremos trabalhar para mudar a nossa realidade, hoje o salário da construção civil em Mato Grosso do Sul é o pior do País".
Abelha Neto também enfatizou: "por acaso o preço do cimento de São Paulo é maior do que aqui? Enquanto isso, o metro quadrado é um dos mais caros do país, e isso não reverte em salário melhor para o trabalhador. Você já imaginou cair doente, ser encostado com o salário de R$ 1.080 e ainda com desconto do INSS?" questionou.
Marco Cezar, diretor do Sintracom/CG, também ressaltou: "Vocês constroem sonhos, levantam esses prédios belíssimos, mas vivem um pesadelo, pois muitos não têm casa própria. Esta é a luta da dignidade e da igualdade. E o Sintracom está na luta por novas conquistas. Uma categoria que desenvolve uma cidade, mas não tem seus direitos respeitados, precisa reverter esse processo”, afirma o sindicalista convocando todos para a assembleia geral na sexta-feira, dia 30, às 18 horas na sede do sindicato (Rua Maracaju 878, quase esquina com a Rua Pedro Celestino).

(Wilson Aquino)

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Indústria estadual fecha 7,5 mil postos de trabalho em 2014


A redução de 5,3% foi resultado, em grande parte, pelo fraco desempenho do segmento da construção civil


Exibindo foto emprego janeiro 1.jpg


O setor industrial de Mato Grosso do Sul, composto pelas indústrias de transformação, de extrativismo mineral, de construção civil e de serviços de utilidade pública, fechou 2014 com queda de 5,3% na geração de postos de trabalho em relação a 2013, diminuindo de 141.149 para 133.615, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. No ano, houve o fechamento de 7.534 vagas devido, principalmente, à indústria da construção, que enfrentou à paralisação das obras relacionadas à construção da Fábrica de Nitrogenados da Petrobras em Três Lagoas, com a demissão de 7.443 trabalhadores somente no município.

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, condição semelhante também ocorreu para o conjunto da economia estadual, que criou 2.128 vagas em 2014 contra 21.071 postos de trabalho em 2013, ou seja, queda de quase 90%. “Apesar da redução de vagas, a indústria segue respondendo pelo 2º maior contingente de trabalhadores formais empregados no Estado, com participação de 21% sobre o total, ficando atrás somente do setor de serviços, que emprega formalmente 182.400 trabalhadores com participação equivalente a 28,6%”, detalhou.

Ele informa que de janeiro a dezembro do ano passado um total de 111 atividades industriais apresentaram saldo negativo em Mato Grosso do Sul, proporcionando o fechamento de 11.915 vagas. Entre as atividades industriais com saldo negativo de pelo menos 100 vagas destacaram-se: obras de engenharia civil não especificada anteriormente (-7.552), fabricação de álcool (-641), construção de edifícios (-322), fabricação de artefatos de concreto, cimento, fibrocimento, gesso e materiais semelhantes (-318), confecção de peças do vestuário, exceto roupas íntimas (-304), montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas (-257), entre outras.

Por outro lado, no mesmo período, ao todo 108 atividades industriais apresentaram saldo positivo de contratação, proporcionando a abertura de 4.381 vagas. Entre as atividades industriais com saldo positivo de pelo menos 100 vagas, destacam-se: fabricação de açúcar em bruto (+1.326), abate de suínos, aves e outros pequenos animais (+495), captação, tratamento e distribuição de água (+283), instalações elétricas (+223), fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação de papel (+165), abate de reses, exceto suínos (+141), obras de terraplanagem (+118) e fabricação de amidos e féculas de Vegetais e de óleos de milho (+105).

Em relação aos municípios, Ezequiel Resende explica que o Radar da Fiems constatou que em 35 deles as atividades industriais registraram saldo positivo de contratação em 2014, proporcionando a abertura de 3.597 vagas. Entre as cidades com saldo positivo de pelo menos 100 vagas estão Angélica (+760), São Gabriel do Oeste (+448), Itaquiraí (+405), Rio Brilhante (+369), Rochedo (+362), Fátima do Sul (+221), Anastácio (+182), Camapuã (+117), Aparecida do Taboado (+115) e Coxim (+112), com destaque para as atividades de fabricação de açúcar, construção de rodovias, abate de reses, suínos e pequenos animais e fabricação de materiais de plástico.

Por outro lado, no mesmo período, em 42 municípios as atividades industriais registraram saldo negativo, proporcionando a fechamento de 11.131 vagas. Entre as cidades com saldo negativo de pelo menos 100 vagas destacam-se Três Lagoas (-7.866), Campo Grande (-1.443), Iguatemi (-281), Bataiporã (-177), Ribas do Rio Pardo (-176) e Porto Murtinho (-142), sendo que atividades que mais contribuíram para esse saldo negativo foram obras de engenharia, construção de edifícios, montagem de instalações industriais e estruturas metálicas, fabricação de refrigeradores, fios e condutores elétricos, calçados, construção de rodovias, abate de reses, suínos e pequenos animais, fabricação de refrigerantes, obras de geração e distribuição de energia, chapas e madeiras laminadas e ferro-gusa.



Daniel Pedra

Com investimento de R$ 21 mi Prefeitura vai executar 21 km de asfalto em cinco bairros

Foto:Marlon Ganassin  

Obras vão eliminar problemas de alagamentos enfrentados, há anos, pelos moradores 



Ainda neste ano, a população de cinco bairros localizados na região do Alto São Francisco será beneficiada com obras de drenagem e pavimentação, que foram iniciadas há duas semanas. Serão investidos R$ 21,7 milhões em obras que atenderão moradores de 45 ruas dos bairros Nossa Senhora das Graças, Parque dos Laranjais, Jardim Alto São Francisco, Jardim Fluminense e Jardim Paquetá. O projeto integra o PAC da Pavimentação de Qualificação de Vias Urbanas, que até 2016 prevê aplicação de R$ 311 milhões na execução de 400 quilômetros de asfalto e recapeamento em 60 bairros de Campo Grande.

Nesta segunda-feira (26), acompanhado do secretário de Infraestrutura, Valtemir Alves de Brito e de engenheiros da Seinhtra, o prefeito Gilmar Olarte fez uma visita à frente de obras em andamento no cruzamento das ruas Arcângelo Correia e Giopto, no Jardim Fluminense. No local, estão sendo implantadas galerias de águas pluviais que livrarão os moradores dos problemas com alagamento nos períodos de chuva. “A enxurrada desce com força, vem da General Bertolo Kringer e da avenida Euler de Azevedo,que fica na quadra de cima”, explica o aposentado Américo Ferreira de Oliveira, que mora há 30 anos na esquina das ruas Arcângelo com a Giopto.

O mesmo sentimento de alívio e comemoração e partilhado por outros dois vizinhos do aposentado. Há décadas eles convivem com uma rotina difícil do bairro que tem como ingredientes, poeira, barro e alagamentos. “Nossas casas vão ficar valorizadas”, acredita Juvenil Rodrigues, 32 anos, que chegou ainda menino ao bairro. “São 22 anos de sofrimento que a gente teve de se virar como pôde para que a enxurrada não entrasse dentro de casa”.

O projeto prevê a execução de 20,14 quilômetros de pavimentação; 3,08 quilômetros de recapeamento e 9,57 km de drenagem que além de resolver problemas como o da rua Arcângelo e das suas transversais, no Jardim Fluminense, livrará os moradores do Parque dos Laranjais, dos problemas de erosão, alagamentos,como também da poeira e do barro. No bairro serão atendidos vias como a Miguel Vieira Ferreira e a rua Pororoca. Acesse Aqui e confira por onde e quais ruas passará o asfalto.

As obras no Altos do São Francisco, conforme o prefeito, tiveram o início retardado para que a Águas Guariroba implantasse a rede de esgoto. “Negociamos com a Caixa Econômica Federal um cronograma de liberação de recursos que garante aplicação até março de R$ 25 milhões nestas 16 frentes de obras que andamento na cidade, dentro do PAC da Pavimentação”.


(Assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal)