Player

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Funsat oferece nesta quarta-feira 570 oportunidades de emprego na Capital



A Funsat (Fundação Social do Trabalho) continua intermediando mais de 500 oportunidades de emprego na Capital. Nesta quarta-feira (17) há 570 vagas no total contabilizando oportunidades antigas ainda não preenchidas e novas, que são interessantes aos profissionais de nível médio e de formação profissionalizante, principalmente na área de serviços e construção civil. Além de vagas exclusivas para PCD – Pessoa com deficiência. Mas é importante ver que as vagas podem ser preenchidas a qualquer momento, que estão aberta durante esta semana.

Estão disponíveis vagas para atendente de lanchonete, auxiliar de cozinha, auxiliar de linha de produção, açougueiro, churrasqueiro, confeiteiro, auxiliar de garçom, maitre, chefe de cozinha, copeiro, auxiliar de cozinha, padeiro, chefe de confeitaria, cozinheiro geral, organizador de evento, subchefe de cozinha e auxiliar de confeiteiro. Também há vagas para agente de segurança, encarregado de segurança, supervisor de andar, supervisor de atendimento ao cliente, gerente de serviço de manutenção, auxiliar de limpeza, auxiliar de lavanderia, camareira de hotel, mensageiro e chefe de lavanderia.

Na construção civil há vagas para acabador de mármore e granito, carpinteiro, eletricista, marceneiro, pedreiro, servente de obras e soldador.

Serviço:

A Agência de empregos está com suspenção dos serviços de emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social, como divulgamos, www.capital.ms.gov.br/cgnoticias/noticiaCompleta. Mas há as demais ações da habilitação do Seguro – Desemprego, orientação e crédito à microempreendedores e informações sobre qualificação profissional.

Os candidatos podem fazer o cadastro e atualizá-lo pelo Portal Mais Emprego no site: maisemprego. mte.gov.br - Importante ter em mãos os documentos pessoais como RG, CPF, Carteira de Trabalho e PIS. É imprescindível que o candidato atualize o cadastro a cada 90 dias - Importante: As vagas podem ser preenchidas a qualquer momento.

A Funsat fica localizada na Avenida Eduardo Elias Zahran, n° 1581, Jardim TV Morena - Fone: (67) -33145096 - O atendimento ao público funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h - Confira as vagas no site: www.capital.ms.gov.br/funsat.

domingo, 14 de dezembro de 2014

Obras de pavimentação e drenagem melhoram a Tamandaré e Seminário



Exibindo _DSC3820.JPG

A Prefeitura de Campo Grande acelerou o ritmo de trabalho das obras de recapeamento da avenida Tamandaré, acesso da UCDB, bem como a pavimentação e drenagem da região do Seminário, contendo as inundações causadas nos dias de fortes chuvas na região. Os serviços que estavam se desenrolando em ritmo mais lento, foram acelerados com a liberação de R$ 25 milhões do PAC2 Pavimentação que beneficia esse projeto.
Uma via estrutural de grande fluxo de veículos, a Tamandaré ganha uma nova capa asfáltica mas, principalmente, uma rede de drenagem que protege os bairros que ficam imediatamente abaixo do Cidade Universitária da UCDB, afetados pela rápida descida das águas que enchiam o córrego Seminário e invadiam as casas do bairro. A rede de drenagem de mais de 8 quilômetros começa na Tamandaré, acima da UCDB, na altura da Rua José Matte, e desce até a Rua São Heládio, na altura da Vila Nasser.
A Prefeitura também pavimenta um total de metros quadrados de vias urbanas , no quadrilátero entre a Tamandaré, Rua Marechal Câmara, São Helário e Santo Acúrsio. Nesse meio estão sendo asfaltadas as ruas Santo Antão, Santa Águeda, Santo Aleixo, São Basílio, Santa Brígida, São Tomás de Aquino, Santa Genoveva e São Gilberto. Essas obras compreendem a Etapa A do Complexo Seminário, que tem um investimento estimado de R$ 14,8 milhões. As obras incluem rede de drenagem de águas pluviais, pavimentação asfáltica, recapeamento, acessibilidade com a reconstrução das calçadas e sinalização horizontal e vertical. 
Benefício - Diego Almeida, residente na Avenida Tamandaré, em frente às obras afirma que a qualidade de vida vai melhorar com a continuidade da pavimentação asfáltica da região e recapeamento da avenida: “Já está ficando muito bom, não somente para que vive na região, mas para todos que passam por aqui em direção à Universidade e saída para Rochedinho”. 
Para o comerciante Sebastião Andrade as melhorias na infraestrutura trazem benefícios para os moradores da região. “Antes, quando chovia, esse trecho ficava alagado e não dava para andar e até de carro ficava difícil. Agora com a obra da Prefeitura tudo vai melhorar”, diz. A drenagem vai conter as inundações e distribuir o fluxo de água da chuva no córrego Seminário, evitando também a erosão.
Acelerando o PAC 2 – No dia 10/12, o prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte, anunciou a liberação de recursos da ordem de R$ 25 milhões, contrapartida do Governo Federal, para a continuidade do PAC 2 – Pavimentação de Vias Urbanas da Capital que vão beneficiar sete regiões da cidade, beneficiando milhares de pessoas. Os recursos serão empregados imediatamente na pavimentação e qualificação de vias da região urbana do Imbirussu/Segredo/Prosa, beneficiando diretamente os bairros Seminário (etapas A, B e C), Atlântico Sul (A, B, C, D), Mata do Jacinto (A, B, C, D e E), Alto São Francisco, Sírio Libanês, Portal do Panamá e Bellinate. Esses recursos fazem parte de um total de R$ 311 milhões que transformarão as três regiões urbanas com infraestrutura e qualidade de vida. 
Na ocasião, o secretário de Infraestrutura, Transporte e Habitação, Valtemir de Brito, disse que a Seintrha estará trabalhando em ritmo bastante intenso em 2015, concluindo as obras paralisadas e atendendo as demandas da população, principalmente aquelas encaminhadas através das lideranças de bairro.

Texto: Wilson de Aquino

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Hemonúcleo da Santa Casa precisa com urgência de doadores tipo O+


A coleta é realizada no Banco de Sangue da Santa Casa, que fica localizado em um setor externo do hospital, na rua Eduardo Santos Pereira, 88 – esquina com 13 de maio (no pátio do hospital Santa Casa) 

O Hemonúcleo da Santa Casa de Campo Grande está precisando de doadores de sangue de várias tipagens sanguíneas. A questão mais grave é o estoque de bolsas de sangue O+ (positivo). 
O desabastecimento ocorre principalmente com o aumento da demanda de pacientes e a falta de doação, em virtude das festas de fim de ano e viagens. 
Segue abaixo os horários de atendimento da Santa Casa, Hospital Regional e Hospital Universitário e o que uma pessoa precisa para ser um doador voluntário. Toda a população é bem-vinda para praticar este importante ato de solidariedade em salvar vidas. 

Santa Casa: segunda a sexta: 7h às 17h e aos sábados: 7h às 12h
Hospital Regional: segunda a sexta: 7h às 12h
Hospital Universitário: segunda a sexta: 7h às 17h 
A coleta é realizada no Banco de Sangue da Santa Casa, que fica localizado em um setor externo do hospital, na rua Eduardo Santos Pereira, 88 – esquina com 13 de maio (no pátio do hospital Santa Casa). 

Atenção, para ser doador você precisa: 
- Estar bem alimentado;
- Ter entre 18 e 67 anos, pesar acima de 55 quilos e estar bem de saúde;
- Não deve estar fazendo uso de medicamento controlado;
- Não deve ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12 horas;
- Trazer documento de identificação oficial com foto (RG, CNH, ou cartão profissional). 
Mais informações: (67) 3322-4126.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Em 11 meses, exportações de industrializados já somam US$ 3,39 bilhões


O setor industrial já responde por 69% de tudo que o Estado já comercializou para outros países no período

Nos últimos 11 meses deste ano, as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul cresceram 2,6% e já somam receita de US$ 3,39 bilhões contra US$ 3,30 bilhões de janeiro a novembro do ano passado, o que representa participação de 69% de tudo o que foi exportado por Mato Grosso do Sul em 2014, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems.

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, no período, os principais destaques ficaram por conta dos grupos “Complexo Frigorífico”, “Extrativo Mineral”, “Óleos Vegetais”, “Couros e Peles”, “Alimentos e Bebidas” e “Siderurgia”, que proporcionaram, no comparativo com igual período de 2013, elevação das receitas em US$ 149,7, US$ 48,4, US$ 26,7, US$ 25,3, US$ 4,7 e US$ 3 milhões, respectivamente.

“Com receita equivalente a US$ 248,9 milhões, novembro de 2014, registrou o terceiro melhor resultado já alcançado para o mês em toda a série histórica da exportação de produtos industriais de Mato Grosso do Sul. Atrás somente dos meses de novembro de 2011 e 2013 com US$ 281,4 e US$ 249,7 milhões, respectivamente”, detalhou Ezequiel Resende.

O coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems acrescenta que, quando comparado com os resultados de igual mês, ao longo da série, vale ressaltar que de janeiro de 2010 até agora foram registradas 48 quebras de recorde nas receitas de exportação. “O que equivale a dizer que o recorde para o mês, ao longo desse período, foi quebrado em 81,4% das vezes”, disse.

Desempenho por grupo

No “Complexo Frigorífico”, a receita de exportação, de janeiro a novembro de 2014, alcançou o equivalente a US$ 1,12 bilhão, crescimento de 15,4% em relação ao mesmo período de 2013, quando as vendas foram de US$ 969,3 milhões. Quanto aos produtos exportados o destaque ficou por conta das carnes desossadas e congeladas de bovinos e pedaços e miudezas comestíveis congelados de frango, que, somados, totalizaram US$ 833,2 milhões ou 74,5% da receita do grupo, sendo que os principais compradores são Rússia, Hong Kong, Arábia Saudita, Japão, Venezuela, China e Chile.

Quanto ao grupo “Extrativo Mineral”, a receita de exportação de janeiro a novembro de 2014 alcançou o equivalente a US$ 498,9 milhões, crescimento de 10,7% sobre o mesmo período do ano passado. Resultante, principalmente, das vendas de minérios de ferro não aglomerados e seus concentrados que representam 90,8% da receita total do grupo, tendo como principais destinos Argentina e o Reino Unido.

Já o grupo “Óleos Vegetais” fechou o período de janeiro a novembro de 2014 com receita equivalente a US$ 214,8 milhões, indicando crescimento de 14,2% sobre igual período do ano anterior, quando as vendas foram de US$ 188,1 milhões. Em relação aos produtos exportados os destaques ficaram por conta das farinhas e “pellets” da extração do óleo de soja e dos bagaços e outros resíduos sólidos da extração do óleo de soja, tendo como principais destinos Tailândia, Holanda, Indonésia, Reino Unido, França e Coreia do Sul.

Quanto ao grupo “Couros e Peles” a receita de exportação fechou o intervalo de janeiro a novembro de 2014 com US$ 170,3 milhões, crescimento de 17,5% em relação ao mesmo período de 2013, quando a receita obtida foi igual a US$ 145 milhões. A expansão se deu, basicamente, em função do aumento do preço da tonelada do couro exportado por Mato Grosso do Sul, quando comparado ao mesmo período do ano anterior, o preço médio apresentou valorização 24,0%, tendo como principais compradores China, Itália, Hong Kong, Tailândia e Vietnã.

O grupo “Alimentos e Bebidas” fechou o período de janeiro a novembro de
2014 com receita equivalente a US$ 19,7 milhões, indicando crescimento de 31,5% sobre igual período do ano anterior, quando as vendas foram de US$ 14,9 milhões. Em relação aos produtos exportados os destaques ficaram por conta do arroz, outras preparações para alimentação de animais, amido de milho, fécula de mandioca, tapioca e féculas em flocos, alimentos compostos completos para animais, entre outros, tendo como destino Bolívia, Paraguai, Estados Unidos, Hong Kong e Angola.

Por fim, o grupo “Siderurgia” fechou o período de janeiro a novembro de 2014 com receita equivalente a US$ 10,2 milhões, indicando crescimento de 41% sobre igual período do ano anterior, quando as vendas foram de US$ 7,21 milhões. Em relação aos produtos exportados os destaques ficaram por conta das barras de ferro ou aço, outras construções de ferro e suas partes, outras partes de reboques e semi-reboques, outras partes e acessórios para tratores e veículos, entre outros, tendo como destino Bolívia, Paraguai e Chile.


(Daniel Pedra)

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Delcídio articula investimentos para Jardim, Pedro Gomes e Aral Moreira



Exibindo Delcídio com o prefeito Erney, o Secretário Thiago e o diretor do Procon. Novos investimentos em Jardim..jpg

O senador Delcídio do Amaral(PT/MS) recebeu em audiência , em Brasília, prefeitos, vereadores, secretários e dirigentes de órgãos públicos de Aral Moreira, Pedro Gomes e Jardim. Na pauta , pedidos de investimento nos municípios.
“O final do ano está chegando e a gente precisa encaminhar rapidamente as reivindicações que nos chegam de todas as regiões de Mato Grosso do Sul. Viabilizei nos últimos anos mais de R$ 1,8 bilhões para o nosso estado e em 2015 vamos dar sequência a esse trabalho, atendendo diretamente os prefeitos , vereadores e lideranças dos municípios”, garantiu o senador.
O prefeito de Jardim, Erney Cunha (PT) estava acompanhado do secretário de Planejamento Thiago Borges, e do diretor do Procon, Marcos Vinícius.

"Tratamos de um projeto importantíssimo, o Shopping Céu Aberto, que vai beneficiar todo o comércio local com aproximadamente 400 boxes no Centro da cidade , para fomentar  a nossa economia. Trouxemos também ao senador o pedido de recursos para  pavimentação asfáltica em diferentes bairros, com os quais pretendemos cumprir a meta de asfaltar 80% das vias urbanas até 2016”, detalhou Erney.

O prefeito de Aral Moreira, Edson de David (PTB), destacou que Delcídio é parceiro da administração dele desde 2008.

“A gente tem um carinho e uma gratidão enorme, porque o senador nunca nos faltou. Agora, estamos solicitando recursos para infraestrutura – drenagem e pavimentação -  que é a maior necessidade dos municípios do interior", destacou.

Já o prefeito de Pedro Gomes, Francisco Vanderley (PT) , estava acompanhado dos vereadores Etenir, Gustavo Mota e Márcio Evangelista, e quer a manutenção na cidade de um cartório em processo de fechamento.

“Precisamos que ele interfira junto ao Poder Judiciário para resolver isso. Além disso, pedimos recursos para a construção de uma ponte de concreto em uma estrada vicinal importante para Pedro Gomes”, revelou o prefeito Vanderley.

Agora é lei: bancos e mercados são obrigados a garantir acessibilidade


Agora é lei: bancos e mercados são obrigados a garantir acessibilidade

 João Prestes




Foi promulgada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul a Lei 4.591, de autoria do deputado estadual Felipe Orro (PDT), que obriga supermercados e agências bancárias a disponilizarem ao menos um caixa de cobrança com espaço e equipamentos adaptados para cadeirantes, pessoas com a mobilidade reduzida ou até mesmo de estatura baixa. O projeto começou a tramitar em agosto deste ano, passou por todas as comissões e chegou ao plenário com pareceres favoráveis, sendo confirmado pelos deputados presentes à sessão do dia 4 de novembro. Após aguardar o prazo para manifestação do Executivo – que poderia vetar ou sancionar – a lei foi promulgada pela Assembleia e publicada no Diário Oficial desta quinta-feira (4).

Felipe Orro comemorou a promulgação da Lei e pede que a população ajude a fiscalizar seu cumprimento. "Eu me sinto gratificado por ter apresentado esse projeto, que já vigora em outros Estados e que, independente da obrigatoriedade, já é observado por várias redes de supermercados. Isso é muito bom, agradeço aos deputados que foram sensíveis ao problema e nos apoiaram. É um passo a mais na direção de um ambiente justo e digno para todas as pessoas. As particularidades não podem ser impeditivos para o cidadão transitar no supermercado ou acessar os serviços de seu banco. Agora cabe a cada um de nós ajudar a fiscalizar o cumprimento da lei.”

De acordo com a Lei, os corredores ao lado dos caixas nos supermercados devem ter pelo menos 90 centímetros de largura para facilitar a passagem e placas indicando o caixa especial. Para transações bancárias, os guichês e caixas eletrônicos serão adaptados devendo prestar os mesmo serviços que os demais e dar mais acesso aos cadeirantes para facilitar a digitação no teclado e visibilidade no visor do equipamento.

Conforme relata o deputado, apesar de várias normas já existentes no país, as pessoas portadoras de necessidades especiais são submetidas à umas série de restrições no convívio social e no contexto econômico.

A Lei 4.591 passa a vigorar 120 dias após sua publicação, ou seja, a partir de abril do próximo ano. Caso os estabelecimentos não cumpram com as normas prevista na Lei, serão multados e em caso de reincidência o valor poderá ser dobrado.

Leia abaixo o inteiro teor da Lei.

Diário Oficial ALMS nº 0670 CAMPO GRANDE – MS, QUINTA-FEIRA 4 DE DEZEMBRO DE 2014

LEI Nº 4.591 DE 3 DE DEZEMBRODE 2014

Dispõe sobre a obrigatoriedade dos supermercados e da rede bancária do Estado de Mato
Grosso do Sul disponibilizarem espaço adequado e equipamentos adaptados aos critérios básicos
de acessibilidade para pessoas portadoras de deficiência e/ou com mobilidade reduzida.

A Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul decreta: e eu promulgo, nos termos do § 7º do artigo 70 da Constituição Estadual a seguinte Lei:

Art. 1º Os supermercados e estabelecimentos similares do Estado de Mato Grosso do Sul, que possuam mais de seis caixas registradoras de preços, devem disponibilizar ao menos um caixa de cobrança devidamente adaptado aos critérios básicos de trânsito, interação, utilização e acessibilidade em geral, além do atendimento prioritário previsto na legislação.

§1º - Os corredores ao lado dos caixas especiais devem ter pelo menos 90 cm de largura, para facilitar a passagem.

§2º - Placas indicativas deverão ser colocadas no local, indicando que o caixa é adaptado para cadeirantes.

Art. 2º - Obrigatória a disponibilização nas agências bancárias estaduais de caixas eletrônicos adaptados.

Parágrafo único. Os caixas eletrônicos adaptados deverão prestar os mesmos serviços que os convencionais e deverão atender as necessidades das pessoas que se locomovam em cadeiras de rodas ou que tenham baixa estatura, facilitando o acesso ao teclado e ao visor do equipamento.

Art. 3º - O descumprimento da norma sujeitará o infrator à penalidade de multa, a qual poderá ser dobrada em caso de reincidência.

Art. 4º - Esta Lei entra em vigor cento e oitenta dias após sua publicação.

Campo Grande, 3 de dezembro de 2014

Deputado
JERSON DOMINGOS

Presidente

Mulheres na construção civil já passam de 600 em Campo Grande


Elas desempenham melhor que os homens obras da acabamento



Mais de 600 mulheres já estão incorporadas na indústria da construção civil de Campo Grande. Elas exercem as mais variadas funções e se destacam nas atividades de acabamento, como azulejistas e trabalhos com gessos. “Elas são mais caprichosas que muitos homens nessas atividades e ao que tudo indica, vieram para ficar na construção civil”, afirma José Abelha Neto, presidente do Sintracom/CG (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil e do Mobiliário de Campo Grande).
O número (600) é pequeno em comparação ao universo masculino do setor, cerca de 30 mil, mas, segundo o líder sindical, a cada dia tem aumentado o número de mulheres nos canteiros de obras, tanto de pequenas, médias e grandes obras.
Entre as mulheres existem ainda muitas que não tem muita especialização e acabam trabalhando como ajudantes. Outras já se esforçaram mais e fizeram cursos e por conta disso tiram bons salários como pintoras de parede, pedreiras e encanadoras, entr outras funções nas empresas. Outras preferem trabalhar por conta, especializadas, por exemplo, como azulejistas e fazem seus próprios orçamentos a empresários e proprietários de imóveis e executam o serviço, quase sempre sozinhas, ganhando bons “honorários” por serviços executados.
Algumas já adquiriram carros próprios, zeros, inclusive, só com trabalhos especializados na construção civil. “Elas são dedicadas, focadas e determinadas”, defende Abelha Neto, que acredita que um número cada vez maior de mulheres deverá ingressar no setor em 2015.